Vendo x vídeos pra passar o tempo até…

A festa da empresa aconteceria mais tarde, e ele aguardava vendo uns x vídeos só pra passar o tempo.

Finalmente criaria coragem para sugerir à sua ficante aquela brincadeira que ele tinha visto num porno amador. Para sua surpresa, a própria bateu à sua porta e ele a abriu. Aconteceria antes do previsto.

Ela é uma mulher branca, de cabelos pretos, magrinha e com uma bunda enorme. Daquelas que todos os homens param para ver quando está andando.

Era o desejo de consumo de quase todos os caras do escritório, e com ele não era diferente. Mas para ele, ela dava bola, e isso facilitava tudo.

Nesse dia, ela chegou por volta das 10h com uma papelada. Ele abriu a porta, a recebeu, e pediu para que ela aguardasse uns minutinhos até separar todos os documentos.

Ela não tirava os olhos de sua calça, parecia uma verdadeira safada do xvideos que não via a hora de conferir o que havia ali dentro.

Para melhorar ainda mais, ele percebeu a encarada dela. Foi fácil.

— Vai na festa da empresa hoje? – Ele perguntou.

— Pretendo, mas ainda não tenho companhia…

A pica, de repente, ficou tão dura que não dava mais para disfarçar. Ele chegou bem perto.

— Acabou de encontrar.

Ela usava uma blusinha vermelha sem sutiã, e uma calça jeans apertada, o que a deixava ainda mais deliciosa.

Bocas chegaram próximas, e ele enfiou as mãos por baixo da blusinha dela, apertando firme aqueles peitinhos pequenos, mas deliciosos.

Ela gemeu gostoso. Estava louca de vontade, só queria que ele tomasse partido…

Rolou uma pegação quente ali na sala de trabalho, uma pegação digna de um xvideo muito bem feito.

Beijos quentes com apertos na bunda, nos peitos, e chupação no pescoço da putinha.

Mas ela queria mais e resolveu arriscar ali mesmo, próximo a outros funcionários em outras salas, uma coisa inusitada…

Ela se ajoelhou, e na hora o safado entendeu. Ela queria mamar.

Chegava a salivar de tanta vontade de sentir aquela piroca na sua boca.

Mal abriu o zíper, e na primeira mamada, o pau entrou até o talo na sua garganta. Como uma boa boqueteira, ela balançava a cabeça para os lados, sentindo tudo aquilo dentro de sua boca.

Foi um boquete federal, que rolou por uns cinco minutos, até ela levantar, limpar a boca, dar uma arrumada na roupa e se despedir.

— Mais tarde a gente termina, gato. – Ela disse e saiu.

O cara não acreditava no que tinha acabado de acontecer. Era hoje que ele realizaria seu desejo e comeria gostoso aquela putinha do trabalho. Mal podia esperar para sentir seu pau entrando naquele rabão.

A noite chegou, e conseqüentemente, a festa da empresa teve o seu início.

Várias pessoas estavam reunidas em uma única e longa mesa. Tinha gente com a família, com os namorados, algumas pessoas sozinhas, enfim, todo o tipo de situação.

Ele chegou no horário marcado, com a intenção de pegar um bom lugar, e ficar sossegado. Bebeu algumas cervejas e logo começou a chegar mais gente.

De repente, chegou a delícia, e com tanto lugar vazio, ela resolveu sentar justamente ao seu lado. Ele entendeu o que ela queria. A coisa começaria ali mesmo.

Passaram alguns minutos quando a primeira investida dela fez efeito. Por baixo da toalha da mesa, suas mãos deslizaram sobre a coxa do cara, subiram um pouquinho e então, um apertão daqueles bem no seu pau o deixaram duro feito pedra.

Foi uma das loucuras que geralmente se vê muito em x videos de qualidade.

Papearam mais algum tempo, e vez ou outra as pernas se roçavam.

Dessa vez, não atiçando só o sortudo, mas também a mina.

Sua bucetinha já latejava com tanto tesão que ela sentia. Não dava mais para segurar. Eles precisavam foder urgente!

Nem ele se agüentou, e perguntou se ela queria sair dali, dar uma volta, e pegar um ar fresco. Com o sim dela, saíram de forma discreta e procuraram um lugar mais vazio, como a garagem do restaurante, e ali se pegaram gostoso, com beijos quentíssimos e ele ainda deu uma dedada de leve para conferir a xoxota da moça, que chegava a escorrer. Foram para seu carro correndo e partiram para um motel dar um jeito em todo aquele fogo.

No meio do caminho, mais uma surpresa. Enquanto dirigia, mal percebeu que a putinha gulosa havia aberto seu zíper. Ela então começou a chupar devagar, subindo e descendo, curtindo aquela piroca.

A mamada foi tão boa, que o maluco chegava até a se desconcentrar, e acelerou ainda mais para chegar logo no motel e sentar o aço naquela putinha.

Enfim chegaram, e mal entraram no quarto e a gulosa queria chupar mais, empurrando o cara na parede, se ajoelhando e boquetando demais. Engolindo a pica fundo, e se lambuzando toda. Cuspindo, sugando e chupando como uma profissional do oral, que nem num pornô profissional se acha fácil.

Mas vontade de meter era tanta que ele não resistiu. Terminou de tirar a roupa, e a colocou de quatro na cama, e a madeira comeu solta.

Uma sessão de pistoladas naquela buceta molhada, fez a magrinha gritar bem alto de tanto tesão, sentindo aquele pau arrombando sua xota e o safado não aliviando na metida, fodendo forte e fundo quase a atravessando.

Enquanto fodia, apertava e dava altas palmadas naquela bundona branca maravilhosa, que ficava marcada de vermelho com as palmas da mão.

Foi então que ele jogou o verde, e colheu maduro com gost. Quando colocou o dedo no cuzinho a mina, e ela ofereceu sua portinha para ele.

Claro que o sortudo aceitou, e foi amaciando aos poucos aquele cu apertadinho, enfiando um dedo, depois outro, com um pouquinho de cuspe.

E quando viu que tava pronto, o cacete entrou gostoso e ela gozou!!!

A mina gozou enquanto ele sentava a pica no cuzinho dela, gritando de prazer, e sentindo suas pregas se arregaçarem com tanta pirocada que tava levando.

Tava tão bom que foi difícil segurar, e quando veio a gozada, ele jogou a camisinha longe e mirou naquela bundinha linda.

Após alguns minutos de descanso, resolveram tomar um banho quente, e claro.
O fogo subiu, e rolou mais uma trepada debaixo do chuveiro. Mas aí essa história fica para outro dia.